O bem e o mal, nas paixões humanas
25/05/2019 11:18 em Crônicas e Poesia

Quão intensa força nos seduz,
Nos toma o juízo,
Ilude a razão,
Nos fragmenta as ideias,
Forma grandes tempestades.

Não há nada de ruim nelas,
São experiências vívidas,
De nossas fraquezas e forças,
Também de nossos bons sentidos.
O que as caracterizam,
São nossas ações,
Sejam sentenciosas,
Voláteis no tempo curto,
Trazem o aprendizado,
Confirmando nossa impaciência,
Nossa vulgaridade,
Na aplicação dos sentimentos,
Sobretudo,  do Amor.

Nossas paixões são sempre as maiores,
Merecem toda atenção de todos,
Pois estão impregnadas de orgulho,
Dando ao próximo a faceta do mal,
E a nós,  "os justos e humildes",
A defesa, sempre mais ferrenha,
Que pragmática e lúcida,
Do bem e da suposta razão.

Não há uma persona do bem em nós,
Muito menos um gênio do mal,
Que habita todo o coração humano.
Tal dualismo é mais uma paixão.
Atribuí-se vida  própria à escolhas que fazemos,
Como se tivéssemos uma chave alternada,
Onde um  momento em nós é o bem,
E outra hora é o mal,
Sem que isso nos fosse possível arbitrar,
Decidir a qual caminho tomar,
Além do qual,
O poder que temos de reconhecer o erro,
Voltar pisando sobre o orgulho,
Tomando a estrada certa,
Dê mãos dadas com o perdão.

As paixões são nobres oportunidades,
São enérgicas e voláteis,
São duras, mas compreensíveis.
O que se vê não é o que sente,
Portanto, analise!!!
Dê tempo e entendimento,
A toda paixão,
Sem sentenças avulsas,
Sem ironizar,
Pois não são buracos negros,
Que tudo sugam para si.

É preciso coragem para entender,
Conhecer o seu ser em plenitude,
Com dedicação para a mudança,
Fé para os enfrentamentos internos.

O conhecimento tem muitas faces,
Sendo que os maiores avanços evolutivos,
Chegam até nós por sentimentos,
Não por livros e letras,
Mas por luzes e formas diversas,
Que podemos ou não,
Interiorizar e difundir!!!

Autor: Fabrício Ap Zafalon

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!